Uma língua, dois idiomas

By | novembro 5, 2020

Sabe-se que em virtude do longo período em que o Brasil esteve sob administração de Portugal estes compartilham o mesmo idioma: a língua portuguesa.

Não obstante, essa língua contém especificidades únicas. Por exemplo, diz-se que é um dos únicos idiomas do mundo a ter palavras que não se conseguem traduzir. A mais conhecida é a palavra saudade. Esta palavra significa desejo melancólico ou nostálgico por uma pessoa, lugar ou coisas, que estão longe, quer no espaço, quer no tempo. Outras palavras interessantes seriam as palavras desbundar e desenrascanço.

Nos atemos a palavra saudade por revelar algo tão carente no mundo em que vivemos: a empatia, o amor ao próximo, os laços de solidariedade, de convivência que são tão necessárias e humanizam o ser humano.

Há palavras que podem colocar as pessoas em sarilhos se empregadas no país errado. Por exemplo, a palavra rapariga que em Portugal é utilizada para designar jovem, moça, no Brasil é utilizado para denominar as “senhoras da noite”.

Durex que em Portugal é uma marca de camisinha, no Brasil é utilizado para fita adesiva, fita cola, fita gomada.

O mesmo ocorre com puto, que em Portugal significa garoto, miúdo, rapaz e no Brasil homem homossexual, ou sacana, ou furioso, ou dinheiro.

Há também outras palavras que não nos colocam em saias justas (ou situações constrangedoras para os nossos irmãos), mas que possuem significados diferentes. Por exemplo, chávena (xícara); foguetão (foguete); baliza (meta); comboio (trem).

Particularmente, na seara da tradução uma dificuldade que apareceu não foi em compreender os falsos cognatos, mas em perceber o que as pessoas estavam a falar por conta do sotaque. Em ocasiões de conferências e palestras universitárias, nomeadamente no norte do país torna-se, muitas vezes, difícil de depreender que palavras estão a falar. O mesmo ocorre com o processo de transcrição, na qual, a princípio, existem certas dificuldades em entender o que está a ser dito.

Indo além, no campo jurídico para além de distinções linguísticas – burla em Portugal, estelionato no Brasil; Tribunal de Relação em Portugal, Tribunal de Justiça no Brasil; Oficioso em Portugal, Defensor dativo no Brasil; Absolvição de instância em Portugal, extinção sem resolução do mérito no Brasil, arguido em Portugal, acusado no Brasil; dentre outros, o que mais distingue os procedimentos e costumes é a possibilidade dos advogados realizarem atividades notariais, digo, autenticação de documentos e assinaturas, traduções, realizar fotocópia de documentos. No Brasil essas atividades estão restritas aos cartórios.

Dessa forma apesar de serem países que compartilham uma história, traços culturais e idiomáticos, há outras tantas distinções linguísticas, comportamentais, civilizacionais que muito enriquecem e enobrece esses dois países que tão bem sabem acolher, receber, celebrar e aproveitar a vida. Sinto-me bem aceite e apoiado nesse país tão rico e generoso, tanto no âmbito pessoal, como profissional.

Henrique Silva, Advogado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.